O dia se espatifa: Sendo simplista

quinta-feira, 7 de setembro de 2006

Sendo simplista

O simplismo combatido com simplismo. Estou absolutamente convencida de que essa tal apatia política, ou decepção generalizada, como queiram chamar, não passa de ignorância. Frases como "político nenhum presta" são, acredito, um sintoma claro de ignorância social e política. Tanto quanto a convicção de que tudo é culpa do governo. Isso é coisa de quem não tem noção de como a vida funciona.

Quem ainda não se deu conta de que os Executivos e Legislativos são uma representação fiel da nossa sociedade é ignorante. Ou alguém não percebeu ainda que quem elege político mensaleiro é o "cidadão de bem" que faz gato da NET, dá sempre uma enganadinha na declaração do IR, estaciona em vaga de deficiente sem ser, fura fila, anda muito acima da velocidade permitida nas estradas etc?

Não sou contra o direito de se anular o voto, mas não deixo de me decepcionar com quem prefere não se posicionar. Agora, dá licença, companheiro? Eu te dou todo o direito de votar nulo, mas me dê, por favor, o direito de te considerar um covarde e um ignorante. Prefiro me arrepender do meu voto e tentar fazer melhor em dois anos a simplesmente lavar as mãos e repetir, feito um entrevistado lugar-comum de telejornal: "Político nenhum presta".

Pronto, falei.

21 comentários:

  1. Eu acho que a eleição da apatia é mais um título que se deu, um modismo. E que a campanha do voto nulo é bobagem. Também acho ignorância não se posicionar. Tolero muita coisa, votar nulo, melhor não conversar comigo sobre. Acho que não tenho nem argumento. Respeito, mas não admito...

    ResponderExcluir
  2. Se nenhum dos candidatos me agrada, por que diabos eu ainda assim teria que escolher um deles? Ok, tu acha que isso é ignorância... pois eu acho idiota e patético votar no menos pior, já pensando que pode se arrepender depois.
    Pronto, falei.

    ResponderExcluir
  3. não ia comentar, mas não consigo, sorry.

    com todo respeito, teu texto é mais do que simplista: é equivocadamente generalizador, além de ser essencialmente intolerante com quem pensa diferente de você.

    ser chamada de covarde e ignorante, em um texto de tal modo autoritário, não deixa de ser um elogio.

    ResponderExcluir
  4. Nooossa! Quanta raiva, moça! Sob a tua ótica tacanha, eu sou ignorante. Mas, ao menos, sei respeitar quem não pensa e age como eu. Isso é democracia, Cassia, tu achando decepcionante ou não.

    ResponderExcluir
  5. O voto - ou o não-voto - é meu, é secreto e não vai ser você, publicamente comprometida com a eleição de seu sogro, quem vai me tachar de 'covarde' e 'ignorante' por não querer validar o sufrágio. Os votos nulo e branco são tão aceitáveis no jogo democrático que estão previstos na legislação eleitoral. Guarde seu juízo de valor para si mesma, menina! A democracia agradece.

    ResponderExcluir
  6. Marcela - Eu não falei em votar no menos pior. E errar e tentar acertar não é algo que fazemos o tempo todo na vida? Por que politicamente isso seria diferente?

    Marcia - Sabe o mais maluco? Tu tens toda razão. Tanto que eu demorei muito pra publicar este texto. Considere-o um desabafo emocional de quem se cansou de ser chamada de conivente, idiota e coisas piores nos blogs que lê por aí. Não comento porque acho uma briga perdida. Por isso o alerta inicial :-)

    Urna - Quem és tu? Seria legal saber quem eu ofendi. Até pra pedir desculpas, se for o caso, e explicar o que expliquei pra Marcia ali em cima.

    Isabel - Não entendi qual o problema do meu comprometimento público com o meu sogro. Justamente: é público. Problema não seria o contrário? E eu costumo assinar o que digo e assumir as minhas posições, mesmo que elas possam me causar incômodo. Aliás, que Isabel és tu?

    Ninguém é obrigado a ler meu blog, nem paga nada para isso. Peço desculpas se ofendi alguém, mas aqui sou ditadora absolutista! Sou democrata radical, mas aqui é meu canto. E mesmo assim, deixei bem claro: "Não sou contra o direito de se anular o voto, mas não deixo de me decepcionar com quem prefere não se posicionar. Agora, dá licença, companheiro? Eu te dou todo o direito de votar nulo, mas me dê, por favor, o direito de te considerar um covarde e um ignorante". Pô, até licença eu pedi!

    ResponderExcluir
  7. Uma das coisas que mais acho estranho em comentaristas de blogs é quando chamam o autor de "intolerante", "ditatorial", etc. Na verdade, não acho estranho, mas me dá uma vontade de agredir esses comentaristas.

    Parece que agora temos de nos desculpar antes de escrever: "Olha, gente, queria dizer um negócio, mas não me levem a mal..." É carência dos comentaristas, que precisam ser reconfortados antes de uma opinião que os atinge?

    É óbvio que, quando uma pessoa ARGUMENTA, ela tenta convencer para um determinado ponto de vista, e que, portanto, é, em certo sentido, autoritário. Em nível discursivo, naturalmente.

    Mas intolerância mesmo é a Cássia impedir alguém de ter um blog para criticá-la. É tão difícil entender isso? Que, em se tratando de blogs, COISA QUE QUALQUER UM PODE TER, não há autoritarismo dentro do próprio âmbito do texto?

    Que frescura é essa? Tem que pedir desculpa agora pra chamar o outro de idiota, covarde e ignorante?

    ResponderExcluir
  8. Eu só achei desmedidos os comentários. É um posicionamento sobre voto nulo. Só isso. Me espanta gente com tanta opinião não conseguir encontrar em que votar.
    BAH

    ResponderExcluir
  9. Não sou contra o direito de procurar o menos ladrão, mas não deixo de me decepcionar com quem ainda insiste em procurar.

    ResponderExcluir
  10. Embora pense diferente, teus argumentos estão corretos. E acho que respeirar a opinião alheia é um dos passos da democracia.

    Eu acho que anular o voto é uma forma de dizer: "ei, prestem atenção, não estamos mais afim de vocês". Mas é uma pena que votando ou anulando nunca se consegue uma maioria benéfica, porque é bem como tu disse, tem muita gente aí fazendo a sua corrupçãozinha aqui e ali.

    Eu mesmo não tenho certeza do voto nulo. Mas assumidamente, sou alguém que não me posiciono, em vários assuntos fico em cima do muro. E tenho a consciência bem tranqüila, porque não se posicionar, também é tomar uma decisão.

    ResponderExcluir
  11. Acho que na política é arriscado demais pensar que dá para ficar errando e tentando corrigir daqui a quatro anos. Tem muito mais coisa em jogo. Vida pessoal é completamente diferente.

    ResponderExcluir
  12. Fernanda - Tens razão :-)

    Marcela - Resumindo: tu acha melhor se abster do que arriscar. Eu não :-p

    ResponderExcluir
  13. Carol Zanon09/09/2006 10:51

    "Quem é contra a política é a favor da política que os outros fazem com ele." Brecht.

    ResponderExcluir
  14. Vixe, resolvi postar mais um comentário pra não ficarem 13...

    ResponderExcluir
  15. Creeedo! "Desculpe pela infantilidade"... (já que pode ter gente que se ofende). Mas eu gosto de ti viu Cássia, e do que tu escreves também. E concordo com o Cleber tb. Bjs.

    Obs: hj as letrinhas me disseram "xuxu", estamos fazendo as pases.

    ResponderExcluir
  16. O fato é que, a não ser quando deixamos explícito no texto, NÃO QUEREMOS DEBATER COM OS COMENTARISTAS. Queremos apoio, caceta! Nós não precisamos saber que tem um monte de gente que discorda das nossas "discrepantes" opiniões. Isso a gente já sabia antes de subir o post, PQP! (Pronto, lá tô eu usando o blog dos outros pra desabafar! Desculpaê, Cassiazinha...)

    ResponderExcluir
  17. Gui, tu é um fofo. Aliás, o Cleber também é. E não é só por "me defenderem". :-)

    Riq, EXATO! Eu, pelo menos, costumo comentar só quando concordo com o dono do blog. Salvo algumas exceções, de que não me lembro agora.

    ResponderExcluir
  18. Qual o problema da discordância? Qual o problema em se debater? Não acho que esteja claro na criação de um blog que os comments são espaços apenas para se concordar. Então, muda o "Diga" para "Concorde". Mude o "Comment" para "Agree!", etc...

    Mas se os que discordam não são bem-vindos, ok, então... não falo mais nada. E desculpa por ter participado.

    ResponderExcluir
  19. Marcela, o que tem na água da Alemanha?

    ResponderExcluir
  20. Parabéns pelas palavras e pela sua posição, Cássia. A culpa é toda nossa mesmo se a situação está ruim – evitei escrever "preta" porque os estressados de plantão podem me processar por racismo. A gente escolhe os nossos representantes, eles agem de forma irresponsável e isso gera em nós ceticismo e cinismo. Mas não podemos nos satisfazer mais com uma participação política restrita a votar e a reclamar dos políticos. E deixo aqui uma frase do Ruy Barbosa: "O poder não é um antro, é um tablado. Para a nação não há segredos; na sua administração não se toleram escaninhos".

    ResponderExcluir
  21. Muito bem colocado, Cássia

    Tomara que seu sogro seja eleito.

    Vou votar no meu xará para presidente, vou desligar o gato de minha TV a cabo e prometo nunca mais desrespeitar sinais de trânsito.

    abs

    Geraldo Anhaia Mello

    ResponderExcluir