O dia se espatifa: Do Foursquare e da minha incoerência coerente

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Do Foursquare e da minha incoerência coerente

Quando entrei para o maravilhoso mundo das discussões políticas, eu tinha um posicionamento muito claro. Eu era de esquerda. E prezava pela coerência. Aos 14, 15 anos, chamar alguém de "incoerente" tinha como objetivo o mesmo tipo de ataque que chamá-lo de "infantil". Em retrospecto, percebo que eu nem era tão de esquerda assim. Só era antidireita - o que sigo sendo até hoje, explicando meu voto no Serra e não no Lula em 2002 e na Dilma em 2010 (interprete como quiser).
Vista daqui, aquela tal "coerência" de que tanto me orgulhei até 1994 (quando briguei feio com meu pai por votar no FHC mesmo ELE ESTANDO ALIADO AO PFL!!!!), na verdade, beirava a estupidez. E ao dizer que beirava, estou sendo generosa comigo mesma. Porque fincar pé numa ideia mesmo depois de ela ter sido provada equivocada pela vida apenas para não dizer "eu estava errada" é de uma burrice extrema.
A minha mais recente - e divertida - atitude incoerente foi ter abraçado animadamente o Foursquare, que eu já havia refutado peremptoriamente em outras ocasiões, criticando o excesso de "exposição" das pessoas. A versão mais forte para a mudança de opinião deve ser o fato de que meu novo celular 3G facilitou o uso da coisica. E eu tô me divertindo horrores podendo listar os lugares bacanas a que vou e para dividir impressões e dicas com os amigos reais e virtuais. Foi uma mudança de atitude rápida e intensa. Em menos de um mês, ganhei quatro badges.

Acredito muito nas minhas crenças. O suficiente para poder trocá-las quando considerar a troca coerente.


Este post foi inspirado pelo Alessandro Dreyer e pela Barbara Nickel que bem flagrou o meu recuo. Mas deixo uma ressalva: sigo achando um absurdo fazer check-in em endereços particulares, da própria casa ou da casa de amigos. Tudo na vida tem limites.

4 comentários:

  1. Alessandro Dreyer28/01/2011 14:13

    hahaha, é interessante isso. Eu também criticava o modelo de negócios da Apple, além de Macs e iPhones, hoje até acho interessante o modelo da Apple, além de ter um Mac e um iPhone :D .

    ResponderExcluir
  2. ah, mas a apple vai ter que se democratizar muito pra me fazer incorrer na incoerência...

    ResponderExcluir
  3. Não entendo grandes coisas de Foursquare, mas pelo que acompanho nas minhas timelines de redes sociais, posso dizer duas coisas:

    1) a julgar pelo FourSquare, meus amigos têm uma vida social 5.000% mais movimentada que a minha

    2) quando eu largar a vida de trabalhador pra me tornar assaltante e sequestrador, vou monitorar todo mundo via FourSquare


    Brincadeiras à parte, não acho que seja incoerência, Cássia. Guinadas assim fazem parte do amadurecimento por que passamos desde que nascemos até a nossa morte. Eu também vivo fazendo e defendendo coisas que antes renegava;;; Como alguém já disse, "mudo de ideia porque corre sangue nas minhas veias".

    ResponderExcluir
  4. ah, concordo com o lance do monitoramento. tem gente que dá check in em casa.... não me conformo!

    ResponderExcluir