O dia se espatifa: Minha mãe, essa figuraça

sábado, 8 de julho de 2006

Minha mãe, essa figuraça

Eu falo muito no meu pai por aqui. Porque ele foi importante, é importante e foi embora muito cedo. Isso não quer dizer que a minha mãe tenha menos importância, mas a verdade é que não falo muito nela, e às vezes me culpo um pouco por isso. Daí me dou conta de que é porque falo muito com ela e, de muitas maneiras, eu sou ela.

Hoje ela faz 59 anos. Às vésperas de se tornar uma sexagenária – palavrinha feia essa –, parece muito mais jovem do que eu e a Carolina – minha irmã (mais nova, mais alta, mais magra e loira, humpf) – juntas. Absolutamente antenada, só não perde muito tempo aprendendo coisas que não quer aprender – navegar na Internet, por exemplo. Dona de uma tolerância excessiva, não tem a menor paciência para o que não a interessa.

Duas vezes por semana fazemos yoga juntas e, preciso confessar, não canso de me espantar com a capacidade física dessa criatura de um metro e sessenta que caminha rápido o tempo todo e fala pelos cotovelos. Está sempre reclamando que tem muita coisa por fazer, mas cuida de tudo e de todos, como se tudo e todos fossem mais importante do que ela própria. Felizmente, está aprendendo a cuidar mais dela também.

Segundo os amigos (meus e da Carol), ela é "iluminada", "mãezona", "figuraça". Desde que consigo me lembrar, é com ela que as amigas conversam sobre coisas que não conseguem conversar com as próprias mães. É dela o "Bolo de Fanta" que se torna inesquecível à primeira mordida e dela a execução de pratos que o Márcio usa como parâmetro para os meus. "Está quase como o da tua mãe", diz ele, quando quer me elogiar.

Quando, aos 48 anos, perdeu o amor da vida dela – sim, aquele pai que volta e meia aparece citado aqui –, juro ter ficado com medo de ela não resistir. Mas ela agüentou firme e seguiu e segue por aqui, construindo uma história que, ano a ano, fica mais ampla, mais iluminada, mais colorida.

*

Este post não é um presente nem uma homenagem de aniversário. É, isto sim, um agradecimento e uma lembrança de que, se não falo mais sobre ela, é porque não precisa. Ela é maior do que isso.

5 comentários:

  1. Lindo texto!

    E parabéns para a sua mãe.
    Já tive o prazer de falar com ela.

    Beijo e abraço, Cássia.

    ResponderExcluir
  2. Parabéns, mãe da Cássia. Até pelo seu aniversário.Mas muito mais por sua filha, useira e vezeira de me levar às lágrimas.
    Seu Solon

    ResponderExcluir
  3. que lindo!

    me lembrou um pouco a minha mãe, outra que é uma "figuraça", tbm :-)

    parabéns, mãe da cássia. e feliz aniversário :-)

    ResponderExcluir
  4. Que lindo, Cássia. Eu não sei, mas sempre qdo penso na "sorte" que tive de ter uma mãe tão especial como a minha - e pelo visto a tua também é - eu me consolo pensando que não sou tão má assim, né?
    (ou será que vim com uma mãe tão legal para ver se ela dava jeito em mim? hehehe)
    beijos

    ResponderExcluir
  5. Manda um beijão pra essa figuraça!

    ResponderExcluir